sexta-feira, agosto 11, 2006

Diário de bordo 3: tô de buenas...

Cara, tá frio aqui. Tipo assim, são umas nove horas e tá friozinho. Eita.
Saí agora há pouco da palestra da Toni Morrisson, sobre "A Arte de Narrar". Toni é mulher, negra, escritora prêmio nobel. Talvez pelo fato de eu estar um bagaço eu não consegui curtir totalmente as idéias dela. A mulher é toda engajada e tem uns temas muito muito interessantes. Algo sobre uma escrava que assassina os próprios filhos e depois é julgada por "roubo", isto é, por ter expropriado seu "dono" de seus pequenos escravos. O nome do livro que conta essa história é "Beloved" (Amado). Cool, hein?
Como eu disse, tô muito muito cansado. Hoje o dia foi sensacional. Logo de manhã cedo, no café da manhã encontrei um pessoal da Folha de São Paulo que tinha vindo pra curtir o Flip e trocamos umas idéias.
A palestra da manhã era pra ter sido com o Carlos Heitor Cony, mas parece que ele estava doente e em seu lugar veio Wilson Bueno, curitibano. Um cara engraçado. Com ele estavam Inácio de Loyola Brandão e Miguel Saches Neto, discutindo sobre "As matérias do Romance". Nossa, valeu a pena. Mas como eu disse, tô muito cansado pra tentar resumir aqui o que rolou lá.
Como eu tinha a tarde livre, tirei pra zanzar pelo centro histórico. Fui nas tais igrejas, as que eu tava reclamando que tinha que pagar pra entrar. A igreja de São Benedito é bem simplesinha, era para os escravos. Uma construção de 1725. Lá conheci a Renata, uma mocinha bem legal, guia da cidade. Hehe
Depois fui pra igreja de Santa Rita, a mais conhecida, o cartão postal da cidade e museu de arte sacra. Essa foi sensacional. O Hilton, o carinha que cuidava me contou algumas coisas sobre a igreja, as imagens e as santas. Bom, a igreja de Santa Rita era dedicada aos escravos livres, mulatos e etc. Lá encontrei uma série de imagens barrocas de santas, esculpidas em madeira, datando do século XVII e XVIII. Impressionante era a imagem de Nossa Senhora dos Remédios, padroeira da cidade. Era esculpida em um só bloco de madeira, a riqueza do panejamento era sensacional, os detalhes muito ricos. Lá nesse museu, eu meio que comecei a ter uma idéia pra um trabalho que ainda não sei bem o que será, algo envolvendo as muitas faces de Nossa Senhora, mas estendendo isso pra uma mulher, uma única mulher que tem várias faces, vários aspectos, como arcanos do tarô, variações extraordinárias sobre o mesmo tema. É. Eu queria ter conhecido a moça que serviu de modelo praquela imagem de nossa senhora dos remédios. Muito linda, muito gata. Uma gatinha do século XVII.
Ao lado da igreja encontrei um columbário ou uma columbina, sei lá, que era um pátio, muito bonito, dentro da igreja, com túmulos na parede. Gente morta, sem identificação nenhuma, sem nenhuma idéia de quem foram, quando viveram. Uau. Viajei longe nessa.
Então, ainda visitei a cadeia, que fica logo ao lado dessa igreja de Santa Rita. Essa cadeia hoje virou biblioteca. Curiosamente, não removeram as grades, então há prateleiras de livros dentro das celas. Muito cool. Na parede encontrei um facsímile da "Tribuna de Paraty", de 29 de novembro de 1883, um domingo. Matérias de primeira página:
- Um editorial falando sobre a consciência e importância do voto, já que teriam eleições para representantes no dia seguinte.
- Uma aberração que fora abortada numa fazenda da região, um porco de oito patas, na verdade um siamês natimorto. Bizarreiras do século XIX.
Além disso, uma série de matériazinhas e notinhas curiosas. Muito divertido.
Essa tarde me senti muito bem, me senti em paz como há muito tempo não me sentia. De repente, tudo parecia estar no lugar.
Sobre literatura, se eu fosse escolher um tema sobre o qual eu gostaria de falar, um tema que tem feito minha cabeça ultimamente, eu escolheria "identidade". Por uma coincidência extraordinária (imagine o Zé Wilker lá no Mochileiro das Galáxias...) o tema do Flip desse ano é identidade. E tá valendo a pena mesmo.
Vitória, valeu por deixar uma mensagem. Brigadu, me sinto menos sozinho nesse frio mundo cibernético. Hahaha! Beijos!
Piuí, meu velho, ano que vem tem mais. Estaremos aqui. Com muito livro e cachaça, se Deus quiser. Hahaha!!!
No mais é isso gente. Hoje pra mim não tem noitada. Preciso dormir por que AMANHÃ é o GRANDE DIA!!!!
MUTARELLI!!!!
JOHNATHAAAAAN SAFRAAAAAAN FOOOOOOOOOER!!!!
UHUUUUUUUUU!!!!!!!!!!!
Amanhã é dia de tietagem, minha gente!!!!!
Ducaralho, ducaralho!

Abraço proceis.

Liber

Um comentário:

Victória disse...

"Vitória", será q sou eu? hihi
se for, muito obrigada! e se não, já roubei o elogio pra mim =)
Estou lendo os posts ao contrário, e falando sobre o "Momento" q vc falou lá em cima, o meu agora é tomar um café com pão nessa manhã friazinha e ler seu blog, fazendo de conta que eu sou feliz (e quase acreditando). beijos!