sábado, março 01, 2008

The Soggy Bottom Boys

Há alguns anos atrás eu assisti o filme E aí meu irmão, cadê você?

Desse filme ficaram duas lembranças.

A primeira era a suposta relação dele com a Odisséia de Homero, transpondo a história para o sul dos EUA na década de 1930.

A segunda e mais forte lembrança que ficou foi a canção I am a Man of Constant Sorrow, cantada por George Clooney, John Turturro e Tim Blake Nelson, ou melhor, pelos Soggy Bottom Boys. Por alguma razão, essa música se tornou um hit particular entre eu e meus amigos desenhistas. Quando decidimos abrir nosso próprio estúdio, programamos essa música pra tocar toda vez que chegava um e-mail novo.

Naqueles dias estávamos investindo no estúdio. Era um negócio novo, a grana era curta e não tínhamos certeza de nada, apenas de que queríamos tentar o nosso próprio negócio. De certa forma, eu sentia que nós três estávamos muito próximos dos três fugitivos, vivendo nossa própria odisséia.

Fizemos uma viagem pra São Paulo, levando uma pasta com nossos trabalhos embaixo do braço e fazendo uma peregrinação por agências de publicidade e editoras. Caminhávamos, tomávamos metrô e ônibus. Ao fim do dia, voltávamos pro nosso hotelzinho barato. Ficamos lá uns cinco dias e certa noite, exaustos no quarto de hotel, comendo pizza fria, de repente escutamos, vinda de um carro parado na frente do hotel, a todo o volume, a música dos Soggy Bottom Boys.

O cansaço, o excesso de informações, o sentimento fabuloso diante da cidade de São Paulo e todas as possibilidades que se ofereciam, tudo isso ficou marcado em mim daquele momento. E o som de I am a Man of Constant Sorrow.

Um daqueles momentos estranhos que parecem fazer sentido só pra gente e ninguém mais.


Um comentário:

José Aguiar disse...

Para mim também faz sentido, meu caro.
Mas a gora cada um tem sua série solo. Somo todos spin-offs dessa velha odisséia.