domingo, janeiro 11, 2009

Morro e não vejo tudo


E como tem coisa nesse mundo. Pra se ver, pra se fazer, pra curtir, pra amar. Tanta coisa que às vezes eu me desanimo. Não dá pra ver tudo, não dá pra fazer tudo.

É a velha história das mil abas abertas no Firefox: tenho acesso a mil informações, mas parece que tudo se dilui na quantidade. Troco de uma janela para outra, paro de ler um texto para ver um vídeo, conferir uma galeria de imagens, ler um artigo sobre tipografia, responder um e-mail e voltar a ler o texto original. O tempo de “folga” diante do computador parece mais trabalho de pesquisa. Sempre procurando novidade. Muita informação, muita velocidade.

E é essa a minha nóia.

Obviamente, só um maluco perfeccionista obcecado por controle (como eu) se incomoda com o fato de que não dá realmente pra curtir tudo. Curtir de verdade, saborear, dedicar tempo. Tipo, uma tarde inteira pra ler um livro com calma, saboreando. Lógico que você pode fazer isso, mas tem outras coisas legais surgindo exatamente naquele momento, coisas que podem ser até mais bacanas que aquele livro que estamos lendo. O tempo passa a ser algo pra ser usado com sabedoria, passa a ser uma moeda, uma riqueza, um objeto de consumo.

Consumo.

Veja bem, essa é a minha nóia. Eu consumo o tempo, eu invisto o tempo e espero ter os melhores rendimentos possíveis. Loucura, velho. Esse raciocínio insano pode se estender pra diversas esferas da vida: trabalho, esporte, lazer, cultura, relacionamentos. Será que eu não estou perdendo tempo? Se estou lendo esse livro, não poderia estar lendo um livro melhor? Se estou insatisfeito com o trabalho, não poderia estar trabalhando em um lugar melhor? Será que não existe uma mulher mais bacana do que essa ao meu lado?

O aspecto positivo dessa sandice é que nunca fico acomodado. Sempre busco por mais, desejo mais. O aspecto negativo óbvio é que não valorizo o que tenho, não vivo o momento. O que importa é o próximo passo, a próxima viagem. E na tal ilusão de controle e planejamento, alieno-me do presente. Fico completamente anestesiado pelas expectativas e ansiedades. A Grande Ansiedade.

Esses dias de virada de ano são bons pra parar um pouco e refletir. Olhar pra trás e pra frente e pensar um pouco, sem pressa, sem loucura. Geralmente fazemos um balanço do que passou e uma lista de resoluções para o novo ano. No meu caso, a lista ficou meio grande demais. Ler mais, desenhar mais, escrever mais, viajar mais, amar mais, curtir mais. Mais livros, mais projetos, mais filmes, mais romances. Não dá pra fazer tudo.

Então dobrei a Grande Lista e fiz outra. Escrevi em uma folhinha amarela, daquelas de postit. Uma lista de um item só. Minha lista secreta.

Tem coisa demais nesse mundo. Pra ver, fazer, curtir e amar. E isso é ótimo. O único problema é que não dá pra viver tudo. Um problema sem solução. Mas, se não existe solução, não existe problema, não é?

Bora lá pra 2009.

2 comentários:

Rebeca disse...

Encontrei seu blog aleatoriamente saindo de um e indo pra outro, li seu texto e concordo plenamente. A todo momento queremos adquirir mais conhecimento, tudo o que conseguirmos é uma vitória, pois isso nunca é demais. Essa sede de conhecimento é um poço sem fundo e nossa vontade cresce a cada descoberta.
Eu também sofro com essa síndrome das abas do firefox e do google reader. heheh

Adorei seu texto. Um ótimo 2009 para vc também. :)

Mpaludo disse...

Meu amigo... é bem isso... o conhecimento está aí para ser consumido, aproveitado, pesquisado e descoberto sempre mais. Hj tudo, ou quase tudo está concentrado diante do micro... pra mim é a tal da microdependência... rs.
bom,...sempre q tenho tempo, passo por aqui para ler seus textos...
Um abraço.
MacielPaludo.