quinta-feira, dezembro 24, 2009

Feliz Natal. De novo.

Vi a propaganda do especial da Xuxa de Natal. Cheio de números musicais interligados por uma história em que ela é prefeita da Cidade do Natal, mas então (como sempre) alguma coisa acontece e a loira e seus amiguinhos partem em missão para salvar o dia. As crianças devem gostar. Ou não. Sei lá. Eu não gosto.

Vi a propaganda depois de correr atrás dos presentes. Shopping, fila, multidões, funcionários exaustos com os longos horários e aquela decoração. Os anjos estão pendurados pelo teto do shopping com cabos e parecem menos figuras voando do que gordas crianças, aladas, enforcadas e expostas. Pessoas batem foto na frente da decoração de natal. Pessoas aplaudem os bonequinhos mecânicos quando eles terminam de tocar seu número, que é uma gravação. O sistema de som não para de tocar aquelas músicas natalinas de sempre, que se perdem nos sons de vozes, passos, risos, gritos e broncas. Não tocaram a música da Simone esse ano...

Vi a propaganda do especial da Xuxa e ela e seus amiguinhos tem que salvar o dia na Cidade do Natal. Parece que isso inclui garantir os presentes. Os meus estão garantidos hoje. Mas até ontem eu tinha pensado: "ah, dane-se, esse ano não vou dar presente pra ninguém". Simplesmente por preguiça de fazer as compras, shopping, fila, blábláblá. Preguiça ou cansaço. As músicas natalinas se repetem sem parar, sem parar, até não se distinguirem mais do lixo sonoro da cidade.

Não ia dar os presentes por preguiça. E também por não saber o que escolher. Presentes tem que ser bem escolhidos, tem que ser sinceros. Se você não sabe o que dar pra pessoa, melhor não dar nada. Ou um abraço. Só de pensar no trabalho de escolha, já fico cansado.

Mas daí fui visitar minha família e tinha a árvore de natal montadinha na sala e pacotes ali. Alguns deles com meu nome. Porra. Vá comprar presentes pra sua família, seu monstro. Eles pensaram em você.

Shopping, filas...

Família.

Natal pra mim tem gosto de nostalgia. Quanto mais distante, mais colorido o natal da minha infância parece. Era natal em cidadezinha de interior, mais silêncioso, menos neurótico. O tempo foi passando e a família diminuindo, a festa foi perdendo a intensidade, devanescendo.

E esse ano a família voltou a crescer. Criança dá nova cara pro natal. Criança muda tudo.

A esperança é quase irresistível.

E, apesar de tudo, a gente arrisca: Feliz Natal.

4 comentários:

Anônimo disse...

Feliz Natal Ho Ho Ho!
=)

Anônimo disse...

Feliz Natal, Líber!

"Era natal em cidadezinha de interior"

Bão, se não era na "terrinha", então vc viajava. Pq se era ali na "terrinha", eu não achava tão legal.

"E esse ano a família voltou a crescer."

Ou vc virou pai ou sua irmã te deu um(a) sobrinho(a) ?!!!

(Se bem me lembro vc tinha uma irmã, não ?!)

Ah, um post por semana para o ano que vem é uma boa promessa de ano novo !

Escreve aí.

8-)

T+

---
LVR (seu velho amigo)

Tsakura disse...

Adoro esse humor citrico e critico do Natal. Aquilo que todos pensamos mas não dizemos.
Enfim... Feliz Natal para você também, e que 2010 seja o que realmente esperamos de um ano novo.
Att,
T

Liber disse...

Oi, pessoal!

Obrigado pelos comentários.

E, você, "old friend", muito obrigado por estar sempre presente. As sobrinhas (minha irmã está esperando gêmeas) chegam em fevereiro. Meu irmão teve a filhinha, minha primeira sobrinha, em julho passado. Terei três ladies pra mimar e estragar. O bom de ser tio é que quando vc cansa dá pra devolver as gracinhas pros pais... ;-) E quanto ao post semanal, vc tem razão. Fui muito relapso esse ano. Vamos escrever mais em 2010.

Um por semana.

Muito obrigado a todos e tenham um ótimo 2010.

Aquele abraço!