domingo, agosto 22, 2010

Rabiscando Bukowski

Me bateu vontade de fazer uma história em quadrinhos com o Bukowski. Vai ser pequena, mais ou menos umas duas ou três páginas. Daí, hoje comecei a tentar desenhar o velho safado. Os primeiros esboços no sketchbook estão aqui (clique pra ver maior):


Vamos ver no que isso vai dar...

O primeiro livro que eu li de Charles Bukowski foi Cartas na Rua.

Na época eu estava no meio do curso de Desenho Industrial da UFPR. Lembro que tinha uma aula, acho que de sociologia, acho que a professora se chamava Judite. Só me lembro com certeza dela falando de Adam Smith. E provavelmente Karl Marx. A aula dela me dava um nó na cabeça, não só por causa dos textos xaropes, mas pela ideia de que eu ia entrar em um mercado de trabalho que só iria me explorar. Lia os textos sobre mais-valia e tals, e sei lá como, o Cartas na Rua caiu na minha mão.

Era a história de um cara que trabalhava nos correios. O trabalho era uma merda e o dinheiro que ganhava ele gastava com bebida. Morava num apartamento pequeno e tinha uma namorada que ia e vinha. Ficavam bêbados e trepavam. Simples assim.

De certa forma, Bukowski funcionou como um alento pra mim. Seu texto me fez pensar que temos que trabalhar pra nos sustentar nessa sociedade, mas isso não quer dizer que nossa existência precise ser necessariamente árida. Gosto de Bukowski, porque debaixo de toda aquela grosseria e putaria tem um discurso legal, tem um cara bacana. Acho que ele mesmo escreveu uma vez: "Às vezes você acha bondade no meio do inferno".

Pra mim, o rosto de Bukowski parece um rochedo. O grande nariz, as marcas do tempo, os olhos miúdos. A boca parece uma fenda na pedra. Gostei de rabiscá-lo.

5 comentários:

Sil disse...

http://www.pensador.info/frase/NTMxNjE3/
hehe.

Adorei os desenhos, principalmente o grandão dele de perfil.
Pensei em fazer uma animação de um conto dele, to trabalhando nos esboços. :)

Leleca disse...

Adorei os desenhos, principalmente o grandão dele de perfil. [2]

Eu acho que a primeira coisa que eu li relacionada a Bukowski foi a biografia, que é genial (eu e minha tara por biografias). Dele mesmo, acho que foi Crônica de um amor louco (adoro o nome).

Sobre a Biblioteca Nacional: o esquema é que não basta a visita guiada. A tal visita tem horário pra acontecer e é em grupo. E o grupo tem número máximo de pessoas, o que faz com que você tenha que agendar quando vai. É, eu não fui. Hahahahahaha!

liber disse...

Oi, moças!

Sil, acho que vc tem que fazer a animação mesmo. Aproveita o embalo...

Le, vou colocar esses livros na minha lista de leitura.

Muito obrigado pelas visitas e comentários, moças.

Bjs

José Aguiar disse...

Deu vontade? FAÇA!

liber disse...

Ô, Zé!

Vou fazer sim! E quero muito ouvir sua opinião.

Valeu, véio!