segunda-feira, novembro 01, 2010

Pós-eleições

O que mais me incomodou nessas eleições, aliás, o que eu acredito que mais incomodou muita gente, foi o fervor beirando a hostilidade com que as pessoas defendiam seus candidatos.

Teve o episódio da bolinha de papel que jogaram no Serra (ou do OVNI que jogaram no Serra, depende do seu ponto de vista). O candidato, após o episódio, declarou que tudo era um absurdo, que era uma concorrência política, não uma guerra, não precisava de agressões. Não é uma guerra.

Entretanto...

O discurso de ontem à noite do Serra me mostrou um sujeito que parecia muito, muito triste com a derrota. Deprimido, realmente derrotado. Ele agradeceu aos eleitores, foi ovacionado. E durante o discurso foi ficando mais animado e soltou algumas frases que me deixaram pensando. O discurso você pode assistir na íntegra aqui:



Aqui as frases e o tempo de entrada nelas no vídeo:
  • 2:20 "Eu quero agradecer também ao millhões de militantes que lutaram nas ruas e na internet em defesa da nossa mensagem de um Brasil soberano, democrático, que seja propriedade do seu povo".
  • 5:21 "Nesse meses duríssimos, quando enfrentamos forças terríveis, vocês alcançaram uma vitória estratégica no Brasil. Cavaram uma grande trincheira, construíram uma fortaleza, consolidaram um campo político de defesa da liberdade e da democracia do Brasil".
  • 06:03 "Um grande campo político em defesa da democracia, da liberdade e das grandes causas sociais e econômicas do nosso país que estão aí, vivas, no sentimento de toda a nossa população".
  • 06:20 "Nossa campanha trouxe também, ao cenário eleitoral, uma juventude que ama o Brasil, uma juventude que ama a liberdade".
  • 06:50"... (os jovens) sonhando e lutando por um país melhor (...) mais justo e democrático, onde os políticos fossem servidores do povo e não se servissem do nosso povo".
  • 07:27 "E para os que nos imaginam derrotados, eu quero dizer: nós apenas estamos começando uma luta de verdade. Nós vamos dar a nossa contribuição ao país, em defesa da Pátria, da liberdade, da democracia, do direito que todos tem de falar e de serem ouvidos. Da justiça social. Vamos dar a nossa contribuição como partidos, da nossa frente de partidos, como indivíduos, como parlamentares, como governadores. Essa será a nossa luta nos próximos anos".
  • 08:54 "A luta continua".

Não era uma guerra, certo?

E daí.

Daí eu tenho umas perguntas:
  1. Nós não vivemos em um país soberano e democrático? As eleições de ontem não valeram? É isso? Ou democracia só existe quando o nosso candidato ganha?
  2. O Brasil atualmente não pertence ao povo brasileiro?
  3. Quais são as "grandes causas sociais e econômicas do nosso país que estão aí, vivas, no sentimento de toda a nossa população"?
  4. Quem é o povo brasileiro?

Quem é o povo brasileiro? Bom, aqui um mapa com os resultados da eleição de ontem por estado:


E pra deixar mais divertido um mapa com o resultado das eleições de 2006 por estado:


Democracia é isso. É dar voz a toda uma massa extremamente heterogênea e tentar atender às necessidades da maioria de sua população. E a população inclui não só o nosso jovem universitário batuta que está indo fazer um ano de intercâmbio nos Estados Unidos e estudou a vida inteira em colégio particular, como também os lavradores e os cortadores de cana semi-analfabetos. Os interesses são diferentes. Um vai querer pagar menos impostos pra não sustentar os "vagabundos" que se valem do "humilhante bolsa-esmola". O outro só queria que a família não passasse fome.

Quando o Tiririca ganhou, todo mundo falou que tinha um milhão de idiotas no Brasil. O que essas pessoas não entendem é que o Brasil não é feito só de gente que dorme todo dia com roupa de cama limpa e tem twitter. E essas pessoas que a gente fecha o vidro do carro na cara também tem direito a voto. E são muitas. E talvez elas não se sentissem bem representadas pelo seu candidato, moço bonito.

Acho que o discurso do Serra é bacana porque mostra que pra muita gente nós estamos em guerra sim, contra forças malignas que reprimem a liberdade de expressão e querem controlar a imprensa. Mais que isso, contra forças malignas que criam estados de histeria e apelam pra obscurantismo e manipulação de informações.

E sobre liberdade de imprensa, ontem o William Waack da Globo News estava falando que o governo estava sim levantando uma série de leis que prejudicavam o trabalho dos jornalistas, o acesso da imprensa às informações. Segundo William Waack, a imprensa deve servir como polícia, vigiando o governo. Sim, claro. And who watches the watchmen? Bom, mas a rede Globo é perfeita para esse papel de polícia do governo, né. Ela é totalmente isenta, imparcial e ética e com certeza iria zelar pelos interesses do bom povo brasileiro, afinal é esse bom povo que assiste suas magníficas novelas, né?

O que eu acho uma hipocrisia, o que me irrita, é esse discurso do "bem contra o mal". Política é questão de interesses, de negociar e fazer prevalecer interesses. Na melhor das hipóteses, os interesses da maioria da população. Mas podem ser quaisquer interesses. Veja só, no final do discurso o senhor Serra falou que "...nós apenas estamos começando uma luta de verdade... Vamos dar a nossa contribuição como partidos, da nossa frente de partidos, como indivíduos, como parlamentares, como governadores... " Certo.

Pense comigo. Você e seu partido querem assumir o governo do país. Você e seu partido tem direito a veto de leis e projetos. O governo vem com um projeto "populista" de benefícios sociais, uma ideia muito boa, que ia melhorar a vida de muita gente sem prejudicar o orçamento. Mas se esse projeto for aprovado sem problemas, os louros da fama ficam com o governo, seu adversário. Você aprovaria esse projeto? Você acha seus colegas de partido aprovariam esse projeto? Você colaboraria com esse projeto, se ele beneficiasse seus adversários políticos?

Você acha que esse tipo de raciocínio não acontece o tempo todo lá dentro da máquina? Isso e coisas piores, mais sujas do que você consegue imaginar. Literalmente, beijar o diabo na boca. Isso é política.

E o Serra terminar com "a luta continua"... como se estivéssemos lutando contra um governo autoritário. Porra, isso é lavagem cerebral. Não, isso é ridículo. Ele devia ter dito logo "a luta continua, companheiros" que era a mesma frase que o Lula dizia na época de sindicalista. A mesma frase. Querem me fazer acreditar que estamos vivendo uma época de opressão. Opressão era entrarem na tua casa no meio da noite e te levarem. Opressão é jogarem discurso religioso nas tuas costas pra te fazer calar a boca. Hipócritas.

Então, veja lá o discurso desse senhor acima. Continue votando nele, não abra mão de seus princípios. Mas não tenha a imbecilidade de acreditar que você faz parte de uma jihad, tá? Você não é especial, seu candidato não é especial. Deixe de lado os discursos inflamados e maniqueístas, assuma posições claras e converse sobre elas.

E vê se começa a ler alguma coisa além da revista Veja.

Folha de São Paulo não conta.

*******

Essa é a última vez que falo de política aqui. Falar de política requer empenho pra pesquisar, ler, se informar. E eu só quero fazer meus desenhinhos, falar de quadrinhos, escrever minhas bobagens.

Vou lá fora curtir o sol.

See you.

9 comentários:

Felipe disse...

Pode falar mais de política.

São muito bem equilibrados teus comentários.

Bueno disse...

Olá Líber,

Francamente, concordo em alguns pontos, mas o post foi totalmente tendencioso, tendendo obviamente para a sua opinião.

Já que é o SEU blog não vejo problemas nisso, porém não é diferente de qualquer outra opinião, mesmo as que você criticou.

Seria interessante ouvir suas opiniões em ambiente mais pessoal e etílico.

Um Abraço!
Bueno.

Guilherme disse...

Wow, curti o post Liber... também fiquei meio horrorizado com a campanha de ódio que aconteceu nestas eleições. No começo os candidatos até falavam de umas poucas propostas para o Brasil, mas quando as pesquisas começaram a apontar um vencedor um candidato se arriscou na campanha de calunias, difamações, além de incluir na discussão política assuntos religiosos. Por isso achei que a eleição foi como aquelas reuniões que você discute muita coisa mas sai achando que nada de importante foi falado! Tipo Copenhague manja? hahahaha

Ei liber, acho que rola nós conversarmos de outras coisas que não sejam zumbis ein! hahahahaha

Flw belo post!

Sil disse...

Política é muito complicado, por isso a maioria das pessoas nem se arrisca a pensar no assunto, quanto mais discutir. Qualquer coisa que envolva cérebro + gosto pessoal, "não se discute"... é o que a minha avó, que viveu durante a ditadura, costuma dizer no almoço de domingo.

E só para constar, toda vez que leio seu blog te admiro mais.

Ale disse...

Talvez sua interpretação do que o Serra dise seja um pouco tendenciosa msm, mas ele soa exatamente do jeito que o PT discursava anos atrás... inversão de papéis estranha essa.
Independente de ser tendencioso ou não, acho que foi um análise mto boa. Parabéns pelo post.

liber disse...

Felipe
Obrigado! Vamos ver o que acontece pra frente. O problema é que falar de política é muito desgastante.

Bueno
Muito obrigado pelo comentário e pela visita.
O post é totalmente tendencioso sim. Não escondo minhas tendências de ninguém. Mesmo assim, é uma incoerência o Serra dizer (depois da bolinha de papel) que se tratava apenas uma eleição, de que não era uma guerra, mas uma disputa civilizada entre políticos e depois usar os termos “trincheira”, “fortaleza”, “forças terríveis” e “estamos apenas começando uma luta de verdade” em seu discurso de derrota. O que esse discurso traz em suas entrelinhas? Cadê o respeito à vontade do povo? Cadê o respeito à democracia? Serra é um péssimo perdedor. E um hipócrita. Falo com a boca cheia. Hipócrita.
Essa intenção de demonizar o governo eleito legitimamente é muito pouco honrosa e um desrespeito pros eleitores e pra tão valorizada democracia.
Quanto a conversar num ambiente etílico, sempre rola. Mas não falo de política.
Grande abraço!


Guilherme
Muito obrigado pela visita! E pelo comentário!
Tá louco! E tem assunto melhor que zumbis?
Cinema!
Bem, tem assunto melhor que zumbis e cinema?
Quadrinhos!
Ok, além de zumbis, cinema e quadrinhos, tem algum assunto melhor?
Mulheres!
Tá. Além de mulheres, zumbis...
Abraço!!!

Sil
Muito obrigado. Mesmo.
Mesmo.
Bjs

Ale
Obrigado, senhor! ;-)
Na verdade, aí que eu vejo toda a ironia da coisa. A inversão total de papéis.
Quanto a opiniões tendenciosas, elas são inevitáveis. Nenhum meio de comunicação é isento. Eu acredito piamente nisso. O que eu acho é que devemos conhecer bem as fontes de informação, saber de seus interesses e ir montando o quadro geral a partir dos fragmentos. E ler muito, de tudo. Dá muito mais trabalho, mas é bem melhor do que só ler uma revista semanal formadora de opiniões, né?
Grande abraço, brother!

Obrigado a todos e a todas pelos comentários e visitas!

Gheysa disse...

Oi Liber!
Já tínhamos tido a oportunidade de conversar um pouco sobre as eleições por esses dias!
O post foi fantástico. E acho que não podemos deixar de ser tendenciosos. É importante escolhermos um lado e defendermos nossas ideias. Pra mim, ficar em cima do muro (ou fingir-se nele) é o pior.
=)
Um excelente resto de feriado que começou chuvoso e pelo jeito terminará ensolarado!
Beijos

rodrigo disse...

Conheci seu blog esses dias, apesar de ja te conhecer, como se diz.. de vista, é tu és bem mais famoso que pensa. li algumas páginas, vi alguns de seus trabalhos, parabéns.. assim como você admiro quadrinhos, rpg, filmes, essas coisas de nerds.. mas em virtude das falcudades.. no últimos anos abandonei um pouco tudo isso, a alguns dias atrás achei uns decks de magic abandonados aqui em casa.. joguei com um amigos.. quase viramos a noite falando de magic, d&D.. camarilas e sabás.. no bom e velho portugues.. ahahha.. parabéns pelo blog. é bom encontrar pessoas, pelo menos de longe, parecidas com nós mesmos.
Quanto a esse post. eu sempre me pergunto.. Pq o Sul não solta-se de resto do Brasil?? radicalismo!!! ahahahha

abraços

liber disse...

Gheysa

Esse negócio de imparcialidade não existe. Mesmo a mais fria análise racional pode pender pra um lado ou outro. O copo está meio cheio ou meio vazio, depende do interesse e das tendências de quem faz a análise. William Waack em seus comentários, mostrou-se muito favorável a privatizações e cortes nos gastos do governo em causas sociais. É ótimo ele explicitar essa opinião porque agora sei como interpretar as matérias que ele produzir. Não é questão de ser certo ou errado as tais privatizações (sou contra!), mas deixar de lado a tal "análise imparcial dos fatos" de que esses jornalistas tanto se vangloriam. Eles também são tendenciosos sim. Ponto.
Valeu a visita e os comentários. Me apaixonei pela sua amiga Camila. Bjs.


Rodrigo

Obrigado! Bom te ver por aqui! Apareça sempre!
Quanto ao sul se soltar do resto do país, não concordo nem de brincadeira. O problema das pessoas que tem o discurso separatista é que elas acreditam que são melhores do que as outras lá da região norte. O que é uma grande estupidez. Não sei quantas pessoas pensam assim, que são melhores que as outras e que sustentam o resto do país. Espero que não seja uma parcela significativa. Esse discurso separatista cheira a nazismo, racismo, estupidez e todas as coisas ruins que consigo imaginar. Acho que somos bem melhores do que isso.
Grande abraço!