segunda-feira, junho 20, 2011

Notas do subterrâneo

Julgam, por ventura, meus senhores, que estou dizendo desatinos? Deem-me licença para que me justifique. Concordo que o homem é um animal, geralmente criador, que tem a obrigação de perseguir um objetivo com plena consciência e fazer trabalho de engenheiro, quer dizer, abrir caminho eternamente e sem cessar, seja em que direção for. [...] Que o homem tem tendência para construir e traçar caminhos é indiscutível. Mas [...] não será possível [...] que sinta um terror instintivo de chegar ao fim da obra e acabar o edifício? Não poderá suceder que goste só de ver o edifício de longe, e não de perto; que apenas lhe agrade construí-lo, mas não habitá-lo?

(O homem do subterrâneo de Dostoievski, citado por Marshall Berman em seu livro Tudo que é sólido desmancha no ar).

Um comentário:

Gel disse...

Delicioso isso!
(Estou em uma fase sinestésica)

=*