sexta-feira, abril 06, 2012

O Manifesto "Tá feito!' (ou como ganhar tempo pra fazer as coisas que você realmente gosta)

O The Cult of Done Manifesto é um texto escrito pelo geek Bre Pettis e pelo escritor Kio Stark.

Especialista em tecnologias, robôs e inovação, Pettis escreveu o manifesto com Stark em 20 minutos, porque "20 minutos era o tempo que a gente tinha pra terminar".

O manifesto tem ótimas ideias pra começar a combater o estressante perfeccionismo.

Entretanto, gostaria de fazer algumas ressalvas.

Eu gosto muito das ideias apresentadas, mas acho interessante que elas sejam aplicadas às tarefas do cotidiano: trabalhos burocráticos, artigos acadêmicos e coisas assim. Isto é, o tipo de trabalho que te suga, entedia e mata aos poucos.

Para os trabalhos realmente significativos (aqueles que nos importam de verdade), acho que a abordagem tem que ser outra. Mas falamos mais sobre isso no futuro.

Posto isso, eis a minha própria e livre tradução (escrevi do meu jeito e tomei algumas liberdades, tá?) do The Cult of Done Manifesto:

O Manifesto do "Tá feito!"

  1. Existem três fases no processo de fazer: "não saber", "agir", "terminar".
  2. Aceite que todas as coisas são apenas um rascunho. Isso vai te ajudar a terminar o trabalho.
  3. Não existe uma fase de "edição".
  4. FINGIR que você SABE o que está fazendo é quase a MESMA COISA que SABER o que se está fazendo, então aceite o fato de que você SABE o que está fazendo mesmo quando NÃO sabe e faça o trabalho de uma vez.(nota: essa é a minha favorita... ahhaha)
  5. Erradique a procrastinação de sua vida. Se você levar mais tempo do que o razoável pra fazer um trabalho, deixe pra lá e parta pra próxima.
  6. O objetivo não é só terminar o trabalho em si, mas ficar livre pra terminar outros assuntos também (seja pintar um quadro ou terminar de ler Game of Thrones).
  7. Depois que você termina o trabalho você pode esquecer dele e partir pra próxima.
  8. Ria da Perfeição. Ela é chata e impede você de terminar o trabalho de uma vez.
  9. Ter mãos "limpas é errado". "Sujar" as mãos é o certo. Então ponha a mão na massa e manda bala.
  10. Erros também contam como trabalhos feitos. Não tenha medo de errar. Aprenda com isso.
  11. Terminar as coisas é a mola propulsora pra poder fazer mais coisas. 
  12. Destruição é uma maneira de terminar as coisas.

Você pode conferir o texto original aqui.

Pensando nisso, tem uma cena de histórias em quadrinhos que eu nunca esqueci e que acaba sendo a síntese desse manifesto. É a Regra de Ouro do Justiceiro: "se você quer alguém morto, mate de uma vez".


Se tem algum trabalho te incomodando, se você tem algo chato pra fazer, faça de uma vez. Sem firula, sem frescura. 

Mate de uma vez.

(O Justiceiro é um personagem bacaníssimo das HQs, que, sem super-poderes, resolve as paradas na bala. O trecho acima é da graphic novel Retorno ao Grande Nada, publicada em maio de 1991 pela Editora Abril).

******
Adendo: só pra deixar claro, fazer de uma vez não significa fazer de qualquer jeito. A ideia é não sofrer com ansiedades e perfeccionismos. Descubra o que precisa ser feito e faça de uma vez.


Um comentário:

fernandes disse...

Essa regra de ouro do Justiceiro me faz lembrar do filme The Ugly The Bad and The Good:
"Na hora de atirar, atire. Não fala."

Legal a idéia do manifesto. O lance é desencanar.