sexta-feira, junho 15, 2012

Armadilhas



Ano passado fui procurado pelo Rôney Rodrigues. Ele estava trabalhando em uma reportagem para a revista Caros Amigos, mas queria que ela fosse em quadrinhos.

Era um material muito forte, sobre homofobia e o aumento de agressões e assassinatos na região central de São Paulo.

Começamos a trocar ideias e ele me enviou um roteiro com as entrevistas e informações da reportagem e um esboço das páginas.




A quantidade de texto era maior do que as páginas podiam conter, considerando que tinha que sobrar espaço ainda para os desenhos. Então perguntei se podíamos contar com mais uma página. Foi lá o Rôney e negociou com o editor. E conseguiu.

Daí eu fiz os meus esboços, redistribuindo os eventos no novo espaço.





O texto era fundamental, então eu o apliquei na íntegra, digitalmente, sobre o esboço e enviei pro Rôney avaliar. Ele deu ok. Adorei trabalhar com esse cara.

A partir daí, fiz os desenhos em A3, no tamanho que seriam impressos ( a página da Caros Amigos tem formato de 27 x 33 cm). O ideal era fazer um pouco maior, mas meu limite técnico é A3...

Apliquei o nanquim e cheguei ao resultado final visto lá no topo.

A história saiu na Caros Amigos de março. Fiquei feliz de ver o material pronto.




Também fiquei muito feliz de poder participar desse trabalho. O tema da reportagem do Rôney é muito relevante. Acredito que, lentamente, a intolerância e a violência homofóbica vão sendo desarmadas na sociedade. Com certeza, estamos muito longe do ideal.

É interessante ver, por exemplo, a polêmica em volta do Lanterna Verde gay. Enquanto leitores encararam a notícia com uma maturidade positiva (e algum deboche, é verdade), houve quem destilasse preconceito da maneira mais descarada. De qualquer forma, o assunto é exposto, debatido e argumentos preconceituosos são desarmados.

Rôney fez o trabalho mais duro, indo entrevistar os skinheads. Eu sou muito medroso. Jamais faria algo assim. Uma curiosidade de produção: eu trabalho a partir de fotografias. O Rôney me enviou muitas fotos dos entrevistados, mas tive liberdade pra escolher alguns "atores": o líder skinhead já tinha feito esse papel antes no cinema. Consegue reconhecer? ;-)

Enfim, aqui está a história.

Que tal?

Nenhum comentário: