segunda-feira, dezembro 31, 2012

Adeus, ano velho

Chega o fim de ano e acho saudável olhar pra trás e ver por onde se andou.

Não aquelas retrospectivas televisivas com um amontoado de fatos, mas uma revisão pessoal e silenciosa, do tipo que se faz na última manhã do ano.

Para mim, 2012 não foi um ano especialmente bom, mas ficou bem longe de ser um ano ruim.

Os dias passaram, os trabalhos cotidianos, um e outro modesto projeto pessoal realizado, vida emocional tranquila, conclusão de relacionamentos, algumas viagens. Tudo bem calmo, devagar.

Algo como uma longa pausa, para pensar para onde vou a partir daqui. 

Nada foi planejado. O meu 2012 não começou precisamente em 1 de janeiro. Pensando bem, talvez ele tenha começado mais tarde, lá por fevereiro, março. E realmente terminou lá pelo final de novembro. As coisas simplesmente aconteceram e depois de meses de tranquilidade, de estagnação, o vento começou a soprar.

Teve alguns episódios simples que desencadearam tudo: uma viagem a Buenos Aires, a apresentação de trabalhos de alunos da pós-graduação de quadrinhos, a leitura de um texto, a leitura de um livro. As coisas foram se somando e de repente eu estava em movimento de novo. Nem percebi.

Assim, é estranho, mas meu 2013 começou mesmo há pouco mais de um mês atrás. 

Nós planejamos, fazemos listas, desejamos mudanças, mas sabemos que a mágica não acontece na troca de calendário, mas no fundo da cabeça de cada um, de uma maneira mais incompressível e em um ritmo muito pessoal.

Eu desejo um feliz 2013, pleno em todos os sentidos, cheio de intensidade, cor e, principalmente, movimento, para todas e todos nós.

E... obrigado por tudo, 2012.

Bora lá, fazer as coisas acontecerem.

Um comentário:

Chris disse...

me inspirou a voltar com meu blog :)