quarta-feira, junho 05, 2013

Bom dia. Voltei.

Hoje de manhã eu acordei.

Pra valer.

Acordei sozinho no meio da minha bagunça, da minha sujeira. Com a sensação de estar acordado mesmo, sabe? Estar desperto. Fazia tempo que eu não tinha essa sensação.

Minha vida está assim: tem muita coisa bacana. Mas também tem muita coisa de que eu não gosto.

Tem muita coisa que eu queria fazer e não posso.

E tem muita coisa que eu não queria fazer e preciso.

Daí hoje de manhã eu acordei. Acho que estar desperto tem algo a ver com um certo espírito de "foda-se". Não é um "foda-se" frustrado, cheio de raiva, agressivo. É mais do tipo "ah, foda-se". Nhé.

Assim, tipo "puxa vida, preciso escrever esse texto que eu não quero escrever". Não quero escrever, mas preciso. E tem aquele peso nos ombros: "ah, mas precisa ser um texto bem bacana, precisa ser bem legal, tem que ser nota 10". E aí entra o "foda-se". Quem disse que precisa ser nota 10? Quem disse que precisa ser perfeito?

Quem falou que tem um jeito certo de viver a vida?

Tem que fazer a porra do texto. Então vou fazê-lo. Escreverei um texto, não "Os Irmãos Karamazov". Escreverei um texto, não uma revolução conceitual que será meu legado pra humanidade. É só a bosta de um texto. Caguei pra nota 10. Qual é a nota mínima que precisa? Sete? Tá bom pra mim.

Porque o que fode com a gente não é a exigência dos outros, as obrigações externas, os compromissos que assumimos. O que sempre fode com a gente é a nossa própria necessidade de tirar 10. De sermos amados. De sermos únicos e especiais. E daí vem todo o medo de não conseguirmos isso.

O que fode tudo é a nossa própria cobrança. A nossa própria busca de um 10 idealizado e inalcançável.

Acordei essa manhã e me liguei que faz tempo que não sinto medo. Faz tempo que não me importo se uma coisa vai dar certo ou não. Porque se pra dar certo precisa ser nota 10 o tempo todo... bom, isso não me interessa.

Não me interessa ter certezas, não me interessa se você ainda vai estar comigo amanhã, não me interessa se eu vou conseguir terminar o artigo ou se eu vou conseguir terminar o meu gibi, meu tão querido gibi, a tempo pro FIQ em novembro.

Só me interessa que eu estou acordado. É um dia lindo e eu estou acordado. Tenho trabalho para fazer. E vou fazendo. E vou folgando também.

Ainda estou aqui pra você. Aproveite.

Faz tempo que me encheu o saco sentir medo das imperfeições, das sujeiras. Faz tempo que o medo sumiu.

E só me dei conta disso essa manhã.

Quando acordei.

2 comentários:

Bruna Andrade disse...

"E aí entra o "foda-se". Quem disse que precisa ser nota 10? Quem disse que precisa ser perfeito?" só assim ando conseguindo escrever, haha. Foda-se se eu não captei a essência do livro, foda-se se eu não curti um clássico, foda-se...
Muito bacana o texto e mais motivacional que muito auto-ajuda que te manda fazer tudo certinho, haha.
Sobre Café e Livros

T. Candinho disse...

Bom dia!