segunda-feira, dezembro 09, 2013

Orgulho de que?

Cosplay é como se chama o ato de se vestir como um personagem de histórias em quadrinhos ou de ficção em geral. Você vê muito disso nos eventos como a San Diego Comicon e tem muitas pessoas que se divertem e se dedicam a caracterizar-se como seus personagens favoritos.

Repare, o lance é se divertir. Como no carnaval, numa festa à fantasia ou uma brincadeira. Diversão.

Então...

No FiQ, se você não está sabendo, aconteceu o seguinte episódio: o quadrinista D, um dos autores, participantes, bateu fotos de uma cosplay da Estelar. Ele bateu fotos em close da região da virilha da menina e publicou em seu Instagram com a seguinte legenda: "pata de camelo".

Aconteceu que D escreveu uma carta pedindo desculpas. Trechos da carta:
De forma alguma queria ser ofensivo com a garota que fez o cosplay ou qualquer outra mulher no evento. As personagens femininas de quadrinhos tem uma grande dose de machismo estampadas em seu visual e infelizmente, eu não usei de senso crítico e alteridade quando postei aquela foto. (...) Mas o evento serviu de lição para mim. Por isso te peço desculpas. (...) Apesar de ter sido algo desagradável, essa situação me fez abrir os olhos para esse tipo de abuso, pois com minha idiotice acabei sendo, mesmo que breve, um dos idiotas que sempre critico.
Você pode ler a carta e saber mais sobre o episódio nesse post do Hector Lima.

O lance é que muita gente comentou sobre isso: as garotas do Lady's Comics contaram ainda de outras histórias de machismo e falta de respeito à figura feminina que ocorreram no FiQ. No site oficial do evento foi publicada uma nota de repúdio ao acontecimento. Mas foi um grupo de mulheres envolvidas com histórias em quadrinhos que revelou a identidade de D. Elas escreveram:
O autor não está sendo legalmente processado, por isso recorremos ao CMI para expor sua identidade, por compreendermos o quão injusta é a exposição indevida e ilimitada das vítimas, enquanto dá-se ao abusador o direito ao sigilo e permanecemos todas amedrontadas com a possibilidade de contra-ataques legais do abusador; impotentes e preocupadas por sabermos que os abusos serão perpetuados pelo mesmo ou por outros homens enquanto não for atribuída a devida gravidade e atenção ao episódio.
Há outros posts e textos a respeito, mas muita gente da comunidade de quadrinhos está dizendo algo como "deixa quieto, o menino já pediu desculpas". Aliás, acho que li alguém escrever "ele até pediu desculpas".

Não estou aqui para ofender o D de maneira nenhuma. Como ele assumiu o erro, penso que o que temos que fazer é expor e divulgar o máximo possível para conscientizar as pessoas. Para discutir, refletir e talvez melhorarmos todos como sociedade. O que quero fazer aqui são umas considerações.

Por exemplo: por que um homem bate foto da virilha de uma mulher, da bunda de outra e posta nas redes sociais com comentários zombeteiros? Sério, pense. Por que um sujeito faz uma coisa dessas? A resposta é bem dolorosa: porque há outras pessoas que vão achar isso legal. O sujeito só posta coisas esperando aplausos, esperando provocar risadas. Ao ver um comentário dizendo que aquilo era desnecessário, ofensivo, nosso homem responde: "senso de humor: uns tem, outros não".

Senso de humor. Como fazer piadas de estupro, piadas com doadoras de leite materno. "É só uma piada, cara". Mas por trás dessa piada, o que existe é crueldade pura. A gente sabe disso. E não uma crueldade apenas do "humorista": é uma crueldade social. Porque há pessoas que riem e há pessoas que acham um absurdo que o nosso "piadista" seja moralmente apedrejado. "É só uma piada".

Nunca é só uma piada. A crueldade está ali. Mais que isso: o machismo está ali. É uma construção de relações de poder. A vítima e o algoz. A garota do cosplay e o engraçadão dos quadrinhos. "É só uma brincadeira". É isso que o sujeito tem na cabeça. Ele não sabe o nome da menina, só quer fazer "zoera" e curtir com a galera, huashaushuashua. Não vê um ser humano ali, vê um motivo de piada.

Isso não é culpa exclusiva do indivíduo. Ele age assim porque a sociedade dá apoio. Há os que riem da piada. E há os que falam "deixa disso, é só brincadeira".

Não é brincadeira, homem.

Machismo é uma coisa escrota.

Os machistas falam das "feminazis", isto é, das mulheres que ficam indignadas e furiosas com a falta de respeito que sofrem, falta de respeito legitimada por toda uma cultura de machos alfa. Daí a mulher fica zangada, reage e os machistas a chamam de "feminazi", "revoltadinha", "mal-amada", riem, dizem que o que ela precisa é de pica.

Qualquer um, qualquer uma pode ser machista. Porque estamos tão imersos em uma cultura machista que às vezes nem nos damos conta.

Por trás de cada piada, de cada argumento dizendo que era só uma brincadeira, o que existe é um discurso cruel de dominação. É colocar a mulher no lugar dela, isto é, bem comportadinha, servindo de empregadinha doméstica ou objeto sexual. Sem voz, sem respeito.

O problema não é o D, mas todo o contexto cultural que faz ele pedir desculpas ao Hector e não às mulheres que efetivamente foram ofendidas com a publicação das fotos. Esse contexto cultural do "deixa disso, era só brincadeira".

E isso não fica só no mundo dos quadrinhos, é lógico.

Veja o pessoal do Tubby, que percebeu que ia ter complicações legais e transformou seu projeto em uma "pegadinha". E dizem: "fizemos isso para denunciar o machismo".

Não precisa andar muito por aí pra encontrar outras "pérolas do orgulho de ser macho", como a "Constituição do Homem Livre". Mas provavelmente é tudo uma brincadeira....

A atitude do "é só uma brincadeira" está servindo de saída covarde pra muita bobagem por aí.

O machismo é um problema sério. O machismo já matou muita gente. Pra começar, garanto que toda a galera das torcidas organizadas são muito machos e não perdem oportunidade de demonstrar isso, como se viu lá em Joinville e em diversas outras ocasiões. Acima de tudo, há toda uma diversidade de violências contra mulheres cometidas a CADA SEGUNDO TODO SANTO DIA. E não são apenas violências físicas, são humilhações e assédios.

Então, entenda, não é uma brincadeira.

Não é uma brincadeira.

Se falou, assuma. Se não acredita no que está falando, não fale.

Os homens, os machos, deveriam calar a boca, ouvir e procurar refletir um pouco, só pra variar.

******

George Carlin tem um texto muito bom a respeito, chamado The Male Disease (ou A doença masculina). Eu chamaria de Doença do Macho. Carlin é bem preciso: o problema do macho é que o macho sempre quer estar por cima, sempre quer ser o protagonista, o alfa, o bonzão. E quando as pessoas começam a questionar esse protagonismo, ele reage com a maturidade emocional de uma criança de 7 anos.






Nenhum comentário: