domingo, janeiro 04, 2015

93 horas e tudo bem

E aí, 2015?

Como vai ser?

Vai ser um ano bom pra caramba? Vai ser um ano fantástico?

Eu não tenho planos. Quero dizer, planos detalhados. Tenho uma boa ideia de pra onde eu quero ir e do que preciso fazer.

O resto vou improvisando dia a dia.

Improvisar não é só uma arte, é uma estratégia de sobrevivência.

Hoje era pra ter visto um filme, mas a companion quis ver outro. Sem crise. Era um filme que eu já tinha visto, o argentino Relatos Selvagens.

Gostei tanto quanto da primeira vez que vi.

Tem o Darín, como qualquer filme argentino que se preze. E vendo pela segunda vez, deu pra perceber bem que na maioria das vezes as cagadas das histórias eram por causa de gente que não tem senso de dimensionamento. As pessoas exageram. Tipo na vida real, sabe.

E quem nunca exagerou?

Eu exagero às vezes.

Ah, Deus, como eu exagero.

Uma vez um velho amigo da minha família me falou "tudo que é em excesso faz mal".

Tem uns anos já que ele morreu de câncer.

Nunca esqueci. Tudo que é em excesso faz mal.

Ainda assim, às vezes eu exagero.

Mas, afinal, se não fossem as cagadas, qual seria a graça das histórias?


Nenhum comentário: