segunda-feira, janeiro 12, 2015

Bach

Hoje teve:

JOHANN SEBASTIAN BACH
Musikalisches Opfer - a oferenda musical

Uma coleção de cânones, fugas e outras peças escritas em 1747 por Bach e dedicadas ao rei Frederico II da Prússia –, participam os músicos Rachel Brown (flauta), Diego Nadra (oboé), Tomasz Wesolowski (fagote), Nicholas Robinson e Rodolfo Richter (violinos), Claire Fahy (viola), Juan Manuel Quintana (viola da gamba), Paolo Zuccheri (violone) e James Johnstone (cravo).

Dizia o programa da apresentação que Bach, ao visitar o rei Frederico II da Prússia, recebeu um desafio. Disse o rei para Bach: "ó, tô sabendo que  tu sabe improvisar, mas duvido que tu faça uma fuga em cima desse meu tema aqui (Thema Regium - o tema do Rei)". Era uma paradinha musical sinistra, cheia dos paranauê, difícilima. Daí contam que o Bach resolveu uma amostra ali na facilidade, impressionou todo mundo e soltou "é que tou cansado da viagem. Deixa eu descançar que apresento uma coisa decente". E 15 dias depois voltou com o tal tema do rei que tinha sido proposto como desafio virado num conjunto de peças e tals.

O lance é que eu tava ali no teatro do Paiol curtindo essa apresentação. Pra quem não conhece, o teatro do Paiol é um espaço bem apertadinho, abafado, mas que oferece um contato muito próximo com os artistas. No meu caso, sentado na primeira fileira, eu podia literalmente esticar o braço e tocar nos músicos. Literalmente.

E daí veio a apresentação, os caras tocando, eu nunca tinha visto um cravo, e aquele som das cordas e eu ficava imaginando como ia ser legal ter um aparelho de som maneiro, arranjar aquelas músicas e ouvir enquanto trabalho.

Coisa besta, né? Tipo, a vida acontecendo ali na frente e eu pensando em um jeito de guardar, possuir aquilo comigo.


Nenhum comentário: