sábado, maio 02, 2015

Primeiro de Maio

Dia do trabalho.

Essa semana foi amarga. O governador Beto Richa, do PSDB, violentou milhares de professoras e professores. Além de terem o dinheiro de suas aposentadorias confiscado, foram atacados fisicamente por uma polícia armada com escudos, bombas e balas de borracha. Uma demonstração clara de força e do quão pouco significa o nosso trabalho.

Por que escolher a carreira de professor, se a cada ano as condições de lecionar, salários, aposentadorias, benefícios, são cada vez mais desfavorecidas? Por que escolher a carreira de professor se uma mídia cria a imagem de que lecionar é para santos abnegados que só devem ganhar o mínimo pra sua subsistência? Por que escolher lecionar se isso é entendido como adestrar pessoas a cumprirem ordens sem questionar? Por que escolher lecionar se o propósito da educação é preparar um bando de desgraçados para servir a um "mercado de trabalho" consolidado na exploração e na desigualdade?

Acho que temos que mudar muito o que se pensa sobre educação e trabalho.

Trabalho não é só servir ao empresário e ao mercado. Trabalho é a atividade na qual nos construímos como seres humanos. Trabalho é algo que fazemos para nós mesmos e para a sociedade. Enquanto trabalhadores, merecemos respeito.

Educação envolve pensamento crítico e senso de coletividade. É preciso entender que somos uma sociedade e não seremos bem-sucedidos enquanto poucos colhem benefícios em cima da exploração de muitos.

Educação é tomar uma posição. Vamos incentivar o individualismo e a competição desmedida ou vamos incentivar a solidariedade e o pensamento coletivo?

Sou professor porque o contato com alunos e alunas, a prática diária, as discussões, me alimentam. Eu me realizo profundamente com a atividade acadêmica. Mas isso não significa que eu tope fazer isso de graça, que eu não queira um bom salário, uma boa casa e uma vida estável. Assim como você ou qualquer outra pessoa.

As discussões políticas em nosso país são carregadas de um moralismo descerebrado. Com apoio de uma mídia parcial, demoniza-se o PT e se faz vistas grossas à política criminosa de PMDB e PSDB. Ignora-se o interesse dos grandes empresários por trás das decisões danosas para a sociedade.

Na construção de um perfeito mundo liberal, a educação tem que ser para poucos, para a elite. Pessoas com menos educação são mais obedientes, disse o Beto Richa.

Educação nunca foi prioridade porque boa educação ensina a pensar. É bem provável que acabem com as universidades e o ensino público no país a médio prazo. Que acabem com direitos trabalhistas e defendam uma filosofia meritocrática de "perdedores" e "vencedores" pra justificar toda a desigualdade e miséria.

Só que o mundo não precisa ser assim.

E se queremos mudar, podemos começar simplesmente não esquecendo e não deixando esquecer de quem vota pra tirar direitos de trabalhador. Podemos começar nunca mais votando nesse sorridente Beto Richa.

Podemos começar assumindo uma posição e lutando por ela. E entendendo que não se trata do "eu" e sim do "nós".

Nenhum comentário: